quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

O que fazer da vida?



Lute para não ser um religioso, porque o mundo é feito de pessoas como você. Um dia você precisa delas, e no outro dia, também.


Tente enxergar a sua cara no espelho, sem absolutamente nada entre a pele e o vidro. Um dia você verá Deus face à face, mas enquanto isso não acontece, lembre-se que Ele já te enxerga assim. Sem máscaras.


Seja bacana. Você não precisa ser bonito, nem magro, nem saber dançar para ser bacana. Ser bacana é ser você mesmo, é ser seu fã. Não há egoísmo aí. Há a leve certeza de que você foi criado para alguma coisa e que o único jeito que você poderá ser feliz, é cumprindo esse chamado de ser o que você é.


Não tenha medo.

Não entre debaixo de pensamentos que não combinam com a liberdade.

Chore na presença de Deus.

Sofra pelas coisas que você ama. Acredite nas coisas pelas quais você chora. Não gaste sentimentos em vão como se eles estivessem num estoque, mas evite desperdiçá-los porque enquanto você faz isso, as experiências valiosas e reais podem passar sem você ver.

Honre os seus pais. Fica ainda mais legal quando seus amigos descobrem que isso não é uma coisa de mané, e sim uma arma poderosa contra a falência do seu futuro.


Corra atrás do seu chamado. O seu chamado na maioria das vezes, é aquilo que você gosta de fazer, só que potencializado pelas mãos de Deus. A parte boa da história é que nessa pegada você pode descobrir coisas que pensava não saber fazer, pessoas que não imaginava conhecer, e o fato de você pagar certos preços de dor e entrega, farão mesmo assim, você se sentir a pessoa mais feliz da terra.


Não pense que ter uma banda, ter algo a dizer, destacar-se na sua área, viajar para outro país, se vestir de um jeito inusitado e viver milagres, não seja uma coisa pra você. Isso sim seria um egoísmo.


Tenha um Deus não porque é moda, porque a cada semana lançam livros sobre isso, ou porque você precisa de um amuleto qualquer. Tenha um Deus simplesmente porque você tem um espírito feito para recebê-lo e sedento por coisas maiores e perfeitas. Se você tem onde colocar Deus na sua vida, então tudo poderá ser infinitamente melhor do que todos os livros que os poetas possam escrever. Mas se você preferir ter apenas uma religião desconsidere o prazer de ser filho de Deus e usado por ele.


Não fuja da guerra.

Não fuja das pessoas que tentaram te ensinar alguma coisa.

Aprenda a voltar.

Aprenda a ir embora.

Aprenda a falar não.

Procure por Deus onde ninguém procurou. (Pode ser numa música qualquer, num filme aparentemente normal, numa conversa).


Queira se casar, ter filhos e tratar isso da melhor forma possível. Não é papo de babacas, é papo de quem quer ser realizado na cama e em todos os outros lugares.

Enfrente o inimigo. Ele é real, ele quer te matar, te roubar e nos mínimos detalhes, te destruir.


Entenda que atitude e posturas causam mais efeito do que berros.


Ouça as histórias que as pessoas têm pra contar. Talvez você carregue a solução para que os finais sejam felizes.


Multiplique seus talentos. Ensine, divida, aprenda, faça por amor e não só por dinheiro.


Aceite que a vida pode ser muito boa, mesmo em meio à crises, doenças e solidões.


Não subestime suas orações.


Imite quem você ama.


Tenha uma aliança com você mesmo. Com seus valores, com as coisas que você quer conquistar e as coisas que você se propõe. Sem ter essa aliança você nunca poderá amar alguém como a você mesmo. É necessário gostar-se. Não há nada de errado nisso.


Não caia na rotina do erro, só porque você descobriu que existe perdão. O perdão é muito mais do que um pedido de desculpas. É a base de uma mudança real e sincera.


Divida suas músicas com os seus amigos.


Não seja preconceituoso. Você já estará perdendo a melhor parte de ser gente.


Acredite em palavras e no poder que elas têm. Se para bem, concorde. Se para mal, destrua.


Não seja um rebelde, mesmo se tiver uma boa causa para isso. Prefira ser um inconformado. As chances de revolução serão muito maiores neste caso.



Original aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário