sexta-feira, 31 de maio de 2013

Conferência Hope House

Cara, não tem o que dizer! Sabe quando vc simplesmente tem certeza q tá onde Deus te queria?
Que, é isso... "não tem nenhum outro lugar que eu deveria estar", "não tem nenhuma outra coisa", ISSO é o centro da vontade de Deus pra mim? Foi como eu me senti hoje. 


1ª noite da Conferência Hope House, bom d+... Deus marcou o encontro e foi lá falar cmg! 

Para aqueles que não puderam ir, segue aqui um pequeno resumo do que ouvi hoje, postado originalmente por Daniel Lopez no Desvendando o Original

Ativando o sobrenatural através da arte - Pregação Conferência Hope House (Porto Alegre)


“Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para, outra vez, estardes em temor, mas recebestes o espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8.14-16).

1-    No texto acima, o apóstolo Paulo deixa claro que Deus é como um pai que adota filhos.
2-    Mas o sinal de que alguém foi adotado pelo Senhor é o fato de ser guiado pelo Espírito Santo.
3-    Portanto, para que a pessoa seja feita “filha de Deus” (João 1.12) ela deve ser guiada pelo Espírito Santo.
4-    Portanto, para conduzirmos alguém para ser adotado por Deus, convém que esta pessoa conheça o Espírito.
5-    E não há maneira melhor de conhecer o Espírito Santo do que através da música, dos louvores, da adoração.
6-    Em seu livro Elaborações Musicais (1991), Edward Said ressalta a influência da música clássica na elaboração do espaço social, comparando as salas de concerto do século XX com os museus e bibliotecas.
7-    Todavia, as salas de concerto se diferenciam, pois a execução de uma orquestra se desenvolve em um determinado espaço e tempo, de modo que a performance desempenha papel crucial.
8-    É possível reler um livro ou visitar uma exposição de arte pela segunda vez, mas, segundo Said, “não faz sentido rever um concerto, embora a indústria fonológica tenha alterado isso consideravelmente” (p. 22).
9-    A música cria relações e espaços. No caso da música cristã, esta deveria promover um canal de relação com Deus e levar-nos a outro ambiente, que extrapola o físico em direção ao espiritual.
10-                     Em hebraico, a palavra “cantar” (shiyr) é semelhante aos termos “corda” (shôr) e “umbigo” (shôrer).
11-                     Isso porque o louvor é como uma corda que nos une a Deus, como um cordão umbilical que nos conecta ao Senhor e traz Sua presença para perto de nós, nos adotando como filhos e confirmando com nossos espíritos que somos filhos de Deus.
12-                     Mas não basta conhecer. Para ser filho, é necessário ser guiado pelo Espírito, como o apóstolo João afirma: “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito” (João 3.8).
13-                     Para ser filho, é necessário ser nascido do Espírito. E quem é nascido, também é por Ele conduzido.
14-                     Em grego, o verbo “guiar” ou “conduzir” é ago, a mesmo termo que dá origem à palavra “pedagogia” (“conduzir a criança”). Ou seja, o Espírito nos conduz assim como um professor que educa seu aluno ou um pai que ensina seu filho.
15-                     Em hebraico, o termo para conduzir é nahag, como em Deuteronômio 4.27.
16-                     O curioso é que a palavra “tangedor” (nagan, 2 Reis 3.15) está diretamente relacionada nahag(“conduzir”).
17-                     Assim vemos que o tangedor, ao criar sons, melodias e harmonias, estabelece um canal de comunicação espiritual, de modo que o Senhor passa aguiar, conduzir e levar (nahag) o homem à compreensão de que, em Cristo, fomos adotados por Deus como filhos. Assim, aprendemos, na prática, que “Deus habita em meio aos louvores” (Salmos 22.3).
18-                     Ser guiado pelo Espírito significa deixá-lo conduzir nossa vida, como um tutor.
19-                     Quando passamos a ser guiados por Ele, recebemos o “espírito de adoção”, ou seja, Deus confirma em nosso espírito que somos seus filhos.
20-                     Em hebraico, não temos na Bíblia uma palavra específica para adoção. Hoje em dia, porém, o hebraico contemporâneo utiliza para “adotar” o termo la’amets, e para “adotado” a expressão me’umats (masculino) eme’umetzet (feminino).
21-                     Essa palavra é muito interessante, pois está relacionada ao termo bíblico ‘amats, que significa “forte” (Gênesis 25.23); “obstinado” (Deuteronômio 2.23); “corajoso” (Deuteronômio 31.6); “poderoso” (2 Samuel 22.18); “conseguir” (1 Reis 12.18); “corroborar” (2 Crônicas 11.17); “prevalecer” (2 Crônicas 13.18); “revigorar” (Salmos 31.24); “firmar” (Provérbios 8.28); “fazer escolha” (Isaías 44.14) e “reunir” (Naum 2.1).      
22-                     Relaciona-se com o termo matstsah, que significa “pão asmo”, ou seja, o pão sem fermento, que representa uma vida pura, que não foi corrompida pelo pecado, como Jesus nos ensinou (Mateus 16.6, 11, 12; Marcos 8.15; Lucas 12.1).
23-                     Relaciona-se com matsa', que significa “encontrar” (Gênesis 4.14). 
24-                     Relaciona-se a matsah, que significa “beber” (Salmos 73.10).
25-                     Saussure e as dicotomias.
26-                     Significante X Significado.
27-                     Essa relação entre significante e significado também pode ser aplicada à música.
28-                     Antônio Vicente Pietroforte, no texto A Língua como Objeto da Linguística (2004), escreve o seguinte sobre o tema:

O significante da língua é uma imagem acústica, que, quando se realiza na fala, forma uma substância sonora. Sendo da ordem do som, sua realização acontece no tempo, tomando a forma de uma duração. Contrariamente aos significantes visuais, que se realizam no espaço, os significantes sonoros, como os significantes linguísticos ou musicais, realizam-se no tempo, de modo que dois sons só se realizam em uma sucessão (PIETROFORTE, 2004).

25.                      Ou seja, na música, também há significantes e significados. Os sons também significam.
26.                      Temos, na Bíblia, exemplos claros de que os sons musicais têm significado especial na rede de comunicação entre o homem e Deus.
27.                      Em 2 Reis 3.15, vemos que Eliseu precisava receber uma mensagem de Deus, mas precisava criar uma atmosfera favorável ao contato divino.
28.                      Então, pediu que fosse trazido um músico.
29.                      E aconteceu que, enquanto “o tangedor tocava, a mensagem de Deus achegou a Eliseu”.
30.                      O curioso é que, em hebraico, a palavra “tangedor” (nagan) se relaciona com os termos “manhã” (nogah, Daniel 6.19), “luz”, “resplandecer”, “brilhar” (nagah, 2 Samuel 22.29, Jó 18.5, Jó 22.28), “resplendor” (negohah, Isaías 59.9), “aurora” (Provérbios 4.18) e “levar”, “conduzir”, “guiar” (nahag, Gênesis 31.18; Deuteronômio 4.27; 2 Samuel 6.3).
31.                      Isso porque a o instrumentista (nagan) é capaz de trazer a luz (nogah) divina e o resplendor (negohah) da glória de Deus através das notas musicais tocadas.
32.                      Assim, se estabelece, através da música, um canal de comunicação espiritual, composto por significantes e significados de natureza sonora, e o Senhor passa a guiar, conduzir e levar (nahag) o homem à compreensão do caminho, da verdade e da vida (João 14.6), pois “Deus habita em meio aos louvores” (Salmos 22.3).

Daniel Lopez é Bacharel em Teologia pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), em Comunicação Social- Jornalismo pela UFRJ, Mestre em Linguística pela UERJ e Doutorando em Linguística pela UFF. É colunista do portal Lagoinha.com e Diretor de Teologia do Instituto Hope House.

www.desvendandooriginal.blogspot.com.br
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário